Curitiba ganha 15,9 mil habitantes em um ano; número é maior que a população de 70% das cidades do Paraná

Curitiba ganhou 15.920 habitantes em um ano, segundo estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O número é maior que a população de 280 municípios do Paraná, que representam 70% do total das 399 cidades do estado.

Os números de 2019, que se referem a 1° de julho de 2019, foram publicados no “Diário Oficial da União” desta quarta-feira (28).

Curitiba continua sendo a cidade mais populosa do Paraná e a oitava mais populosa do país, com 1.933.105 habitantes.

Em 2018, o IBGE apontou uma população estimada de 1.917.185 na capital. O aumento em relação ao ano anterior foi de 0,83%, maior que a média nacional, que ficou em 0,79%.

Comparação

Para exemplificar o crescimento de Curitiba, é como se a capital tivesse recebido, em um ano, toda a população de Capitão Leônidas Marques.

O município, que fica no sudoeste do Paraná, tem população estimada de 15.780 pessoas neste ano, segundo os dados do IBGE, 140 pessoas a menos que a população atual de Curitiba.

Ou como se a capital tivesse recebido 12 vezes a população de Jardim Olinda (1.331), a cidade do estado com menor número de habitantes, de acordo com o IBGE.

O sociólogo do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes) Leonildo Pereira de Souza disse que existe uma tendência de que os municípios com menos de 20 mil habitantes diminuam ainda mais, mas que não deve chegar um dia que sumirão do mapa. Em compensação, os que possuem 40 mil habitantes, tendem a aumentar.

“Esses municípios pequenos que perdem população, eles têm alguns indícios de que continuarão perdendo. Por exemplo, a taxa de fecundidade é baixa. A gente percebe também que o número de matrículas no ensino fundamental tem diminuído. Então, municípios pequenos, a tendência é de que realmente reduzam”, explicou.

Mudança

Desde março, Morgana Sofia Zilse, de 24 anos, é uma das novas moradoras da capital paranaense. Ela saiu de Blumenau (SC) para fazer mestrado em Química na Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Ela conta que está gostando de morar em Curitiba, que é muito maior que a cidade de onde veio.

“A cidade tem muitas opções de lazer e o transporte público funciona bem. Eu moro no Jardim das Américas, que é um bairro residencial que tem de tudo por perto”, disse.

Para Morgana, a maior dificuldade é se localizar na cidade.

“Em Blumenau, eu conhecia praticamente tudo e me locomovia bem tranquilamente, enquanto que, aqui, preciso usar GPS para ir para qualquer lugar fora do meu bairro”, afirmou.

Fonte: G1